quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

REZAR COM OS SALMOS...
Sentido Inicial
Este salmo é a meditação tranquila de um filho de Israel sobre a lei, semelhante à de um cristão que ama a Virgem e reza o terço.
O salmista parece ser um jovem que pergunta a Deus como há-de ele manter puro o seu caminho. A resposta dá-a ele próprio, dirigindo-se ao Senhor: Guardando as vossas palavras (9).
A partir daí, cada versículo é uma afirmação de fé desse jovem, que procura a Deus e conserva a sua palavra dentro do coração (10-12), a enuncia com os seus lábios e nela sente mais alegria do que em todas as riquezas (13-14), que promete meditá-la e pôr as suas delícias nessa palavra (15-16).
Sentido Actual
Um dia aproximou-se de Jesus um jovem e perguntou-lhe: «Mestre, que hei-de fazer de bom, para alcançar a vida eterna? Jesus respondeu-lhe: Se queres entrar na vida eterna, cumpre os mandamentos» (Mt 19, 16-17). Já fora essa a resposta do jovem salmista, quando a si próprio fizera idêntica pergunta. Os mandamentos são a palavra de Deus, e praticá-los é fonte de felicidade e caminho certo para chegar à vida eterna.
«Se Me amais, guardai os meus mandamentos» (Jo 14, 15), disse Jesus, não só aos jovens, mas a todos os que querem ser seus discípulos. Amar o Senhor é uma graça que se pede e se recebe, e guardar os seus mandamentos também.
Ensinai-nos, Senhor, a guardar a vossa palavra dentro do coração.
Salmo 118, (119) 9-16
Como há-de o jovem manter puro o seu caminho?
Guardando as vossas palavras.
De todo o coração Vos procuro,
não me deixeis afastar dos vossos mandamentos.
Conservo a vossa palavra dentro do coração,
para não pecar contra Vós.
Bendito sejais, Senhor,
ensinai-me os vossos decretos.
Enuncio com os meus lábios
todos os juízos da vossa boca.
Sinto mais alegria em seguir as vossas ordens
do que em todas as riquezas.
Hei-de meditar nos vossos preceitos
e olhar para os vossos caminhos.
Em vossos decretos ponho as minhas delícias,
não hei-de esquecer a vossa palavra.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre. Ámen.
Comentário de Santo Agostinho
«Guardar as palavras do Senhor é realizar os seus preceitos, pois em vão as guardaríamos na memória se as não guardássemos na vida. Há quem aprenda de memória os preceitos do Senhor para não os esquecer, mas não os ponha em prática na vida para se emendar. O salmista não pergunta como há-de o jovem exercitar a sua memória, mas como há-de manter puro o seu caminho. Não se pode dizer que o caminho é bom quando a vida é má».
Oração Sálmica
Bendito sejais, Senhor Jesus, palavra eterna do Pai, que nos revelais a verdade e nos ensinais o caminho da vida eterna. Vós que sois Deus com o Pai na unidade do Espírito Santo. Ámen.
in Saltério Litúrgico,
Secretariado Nacional de Liturgia / G.C. Gráfica de Coimbra Ldª, pgs 145-147

2 comentários:

Canela disse...

Pe. Marcelino;

Estou-lhe muito grata por esta belissima partilha.

Fez-me muito bem!

A Paz de Cristo

Que N. Senhor o abençoe e guarde.

Nova Civilização disse...

obrigada,

abraços fraternos,

Gisele